DIÁLOGOS: LINGUÍSTICA DE CORPUS E COMPLEXIDADE NO ENSINO DE LE COM LETRAS DE MÚSICA

Cátia Veneziano Pitombeira, Maria Cláudia Nunes DELFINO

Resumo


Na mudança do paradigma de ensino tradicional para o paradigma emergente ou da Complexidade, desafios na esfera escolar são analisados e avaliados no que diz respeito à elaboração e produção de material didático. Este trabalho tem por objetivo principal utilizar uma abordagem baseada em Linguística de Corpus e a teoria da Complexidade na produção de atividades didáticas a partir de letras de música, a fim de estimular a construção do conhecimento do aprendiz de inglês como língua estrangeira. Para tanto se utilizou de um corpus composto por letras de músicas pop na língua inglesa. A frequência lexical desse corpus foi contrastada à frequência lexical de outras variedades de manifestação da língua inglesa. Sendo assim, o trabalho encontrou suporte teórico na Linguística de Corpus, adotando as principais noções apresentadas por Berber Sardinha (2004) e Biber (1988). Ao tratar da Complexidade, utilizou-se principalmente os preceitos de Morin (2005, 2007, 2008, 2009, 2010). Para o desenvolvimento desta pesquisa coletou-se um corpus de estudo com aproximadamente 150.000 palavras presentes em 585 canções das bandas Beatles, Bon Jovi, Maroon 5 e do cantor Bruno Mars. As ocorrências lexicais mais frequentes desse corpus foram contrastadas às ocorrências mais frequentes do corpus de referência COCA. A análise também mostrou o perfil multidimensional do corpus de estudo como um todo assim como de cada banda. Adotando uma postura dialógica em que o aluno liga e religa saberes e que a música é um saber que o aluno traz para a sala de aula, alinhamos preceitos da teoria da Complexidade aos resultados das análises mencionadas para a montagem de atividades didáticas. Atividades essas que, ao serem testadas junto aos alunos puderam levar as pesquisadoras a aplicar a teoria Tripolar de Pineau (1988) aprofundada por Freire (2009), por perceber que a auto-hetero-ecoformação encontra-se presente neste trabalho.

Texto completo:

PDF

Referências


BERBER SARDINHA, T. Linguística de corpus: histórico e problemática. Delta, v.16, n.2, 2000.

BERBER SARDINHA, T. Linguística de Corpus. São Paulo: Manole, 2004

BERTÓLI-DUTRA, P. Explorando a Linguística de Corpus e Letras de Música na Produção de Atividades Pedagógicas. Dissertação de mestrado. Programa de Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2002.

BERTÓLI-DUTRA, P. Linguagem da Música Popular Anglo-Americana de 1940 a 2009. Tese de doutorado. Programa de Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2010.

BIBER, D. Spoken and written textual dimensions in English: revolving the contradictory findings. Language, 62, p. 384-414, 1988.

DAVIES, M. The Corpus of Contemporary American English: 520 million words, 1990-, 2015-. Disponível em: http://corpus.byu.edu/coca/. Acesso em 12.08.2016.

DOMONEY, L.; HARRIS, S. Justified and ancient: Pop music in EFL classrooms. ELT Journal, 47, pp. 234-41, 1993.

FILATRO, A. Design instrucional contextualizado: educação e tecnologia. São Paulo: SENAC, 2004.

FREIRE, M.M. Anotação em sala de aula, 2015.

FREIRE, M. M. Complex educational design: a course design based on complexity. Campus-Wide Information Systems, Vol. 30, n.3, p. 174-185, 2013.

FREIRE, M.M.; LEFFA, V.J. A Auto-heteroecoformação Tecnológica. In: Linguística Aplicada na Modernidade Recente: Fetschrift para Antonieta Celani, pp. 59-78, 2013.

LIBERALLI, F.C. O diário como ferramenta para a reflexão crítica. Tese de Doutorado. Programa de Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 1999.

MORAES, M. C. O paradigma Educacional Emergente. Papirus, 2006.

MORIN, E. Introdução ao Pensamento Complexo. Porto Alegre: Sulina, 2005.

PINEAU, G. A autoformação no decurso da vida: entre a hetero e ecoformação. In: NÓVOA, A., FINGER, M. (orgs.) O método (auto) biográfico e a formação. Cadernos de Formação, 1. Lisboa: Ministério da Saúde – Departamento de Recursos Humanos da Saúde, 1988.

PITOMBEIRA, C. V. Caminhos da formação tecnológica a distância: a complexidade emergente no desenho de curso de licenciatura. Tese de doutorado. Programa de Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2013.

SUANNO, J.H. Práticas inovadoras em educação: Uma visão complexa, transdisciplinar e humanística. In: MORAES, M.C., NAVAS, J.M.B. (orgs.) Complexidade e transdisciplinaridade em educação: teoria e prática docente, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478

____________________________________________________________________________________________________________________