JOLIET JUNIOR COLLEGE e FATEC MOGI MIRIM: CAMINHOS E POSSIBILIDADES DE INTERNACIONALIZAÇÃO.

Zenaide Moschim Gianini

Resumo


A política educacional do governo americano para internacionalização do currículo e ensino de línguas estrangeiras possibilitou que professores e alunos da Joliet Junior College, do estado de Illinois visitassem a FATEC Mogi Mirim para a aprendizagem de português. O trabalho aqui apresentado trata da vinda desses americanos que ocorreu em duas etapas, em março e em agosto de 2015. As duas visitas tiveram, por parte da JJC, objetivos diferentes: na primeira, composta por 10 professores, “sondar” o ambiente brasileiro para sentir as possibilidades de trocas pedagógicas; e na segunda, composta por 2 professoras e 8 alunos, aprender língua e cultura brasileiras. Nesse relato, apresentamos os desafios para envolver a comunidade docente e discente da FATEC MM nesses eventos e descrevemos o nosso esforço em mostrar o Brasil considerando a cidade de Mogi Mirim um recorte do país, num trabalho que resultou em saldos muito positivos.

Texto completo:

PDF

Referências


FRANÇA, T.; PADILLA, B. (2016). Acordos bilateral de cooperação acadêmica entre Brasil e Portugal: Internacionalização ou (pós) colonização universitária? Universidades, v. 5, p. 57-73.

KRAWCZYK, N. (2008). As Políticas de Internacionalização das Universidades no Brasil: o caso da regionalização no Mercosul1. Jornal de Políticas Educacionais, 4, pp.41–52.

LAUS, S. (2012). A internacionalização da educação superior: um estudo de caso da Universidade Federal de Santa Catarina. Bahia: Universidade Federal da Bahia.

LAUS, S. & MOROSINI, M.C. (2005). Internationalization of Higher Education in Brazil. In H. de Wit et al., eds. Higher Education in Latin America - The International Dimension. Washington, DC: World Bank, pp.118–148.

LEITE, D.; GENRO, M.E.H. (2012). Avaliação e internacionalização da educação superior: Quo vadis América Latina? Avaliação (Campinas) [online]. vol.17, n.3, pp.763-785. ISSN 1414-4077. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-40772012000300009. Acesso em 25 Set. 2017.

LIMA, M. C.; CONTEL, F.B. (2009). Períodos e Motivações da Internacionalização da Educação Superior Brasileira. 5 ème colloque de l’IFBAE – Grenoble. 2009. Disponível em:. Acesso em: 26 Set. 2017.

MADERA I. (2006). Un sistema de gestión de la internacionalización y la cooperación en la universidad APEC, como eje transversal de la dinámica institucional. V CONGRESO INTERNACIONAL DE EDUCACION SUPERIOR, Universidad 2006. II Simposio de Internacionalización de la educación superior.13-17 Fevereiro. Ministerio de Educación Superior (MES), Universidades de la República de Cuba/Unesco.

MEC, M. da E. e C. (2016). Portal Ciência Sem Fronteiras.

MOROSINI, M.C. (2006). Estado do conhecimento sobre internacionalização da educação superior: conceitos e práticas. Educar em Revista, (28), pp.107–124.

–––––––– (2011). Internacionalização na produção de conhecimento em IES Brasileiras: cooperação internacional tradicional e cooperação internacional horizontal. Educação em Revista, 27(1), pp.93–112.

TAVARES, M. (2016). Internacionalização da Educação Superior: Estratégias e Ações da Universidade Tecnológica Federal do Paraná. 162p. Dissertação – Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Pato Branco.

TOSCANO, D. (2014). Os padrões da cooperação educacional – o caso dos Estados Unidos-Brasil, e Fulbright-CAPES. Meridiano 47 - Journal of Global Studies, 15(144), pp.24–31.




ISSN 2526-4478

______________________________________________________________________________