UM CONVITE À REFLEXÃO DE PRATICAS PEDAGÓGICAS PAUTADAS NA RELAÇÃO AFETO-COGNIÇÃO

Lise Virgínia Vieira de Azevedo

Resumo


Este trabalho tem como objetivo de abordar a questão da afetividade como fator inseparável no desenvolvimento do aluno em curso superior de tecnologia. Para tanto, foram estudados, nesta pesquisa bibliográfica (GIL, 2008), autores que discutem a relação afeto-cognição no processo de ensino-aprendizagem, como Vigotski (1934), Imai (2010), Castro (2007), e Silva (2007), entre outros. Discutimos também a necessidade de uma postura reflexiva do professor para que este consiga propor práticas em sala de aula que possibilite compreender o aluno em sua totalidade. Ainda, discutimos, brevemente, como um olhar transdisciplinar pode preparar caminhos para uma educação mais humanizada. Em nosso ponto de vista, se o docente estiver preparado para perceber as questões relacionadas ao domínio afetivo, terá a possibilidade de planejar uma prática que seja pertinente à realidade e necessidades de seu alunado.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, A. B. de. Educação Tecnológica para a Indústria Brasileira. Revista Brasileira de Educação Profissional e Tecnológica. Brasília, DF: 2008. Disponível em http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf3/rev_brasileira.pdf Acesso em 19/07/2017.

AZEVEDO, L.; LOPES, R. F. S.; NOGUEIRA, T. F., PEREIRA, A. M. Avaliação em movimento: do desempenho do aluno à reflexão da prática pedagógica. In LínguaTec. vol. 1, n. 2, novembro de 2016. (p. 23-51).

CASTRO, S. T. R. de. O desenvolvimento do componente afetivo da aprendizagem de língua estrangeira em cursos de Letras: fator crucial para a formação do futuro professor. In Cognição, Afetividade e linguagem. Orgs: E. R. da Silva, E.Y. Uyeno, M. J. M. Abud. Taubaté, SP: Cabral Editora e Livraria Universitária, 2007.

EINSTEIN, A. Como vejo o mundo. 7ª ed. Rio de Janeiro, RJ: Nova Fronteira, 1981.

FREIRE, P. Educação e Mudança. 14ª ed., Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988. _______. Pedagogia do Oprimido. 12ª ed., Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

Guia do Estudante – Curso Tecnológico ou tradicional? Publicado em 14 de agosto de 2012, por Carolina Vellei. Disponível em https://guiadoestudante.abril.com.br/universidades/curso-tecnologico-ou-tradicional. Acesso em 12/07/2017.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas. Atlas,

HOLZMAN, L. (no prelo). The overweight brain: how our obsession with knowing keeps us from getting smart enough to make a better world. Disponível em: Table of Contents (The Overweight Brain). Acesso em 30/09/2017.

IMAI, I. Emotions in SLA: New insights from collaborative learning for an EFL classroom. The Modern Language Journal, 94, ii, 278-292, 2010.

Ministério da Educação (MEC). Disponível em http://portal.mec.gov.br/component/content/article?id=13146:um-curso-tecnologico-e-uma-graduacao. Acesso em 12/07/2017.

MORAES, M. C. O paradigma Educacional Emergente. Campinas, SP: Papirus, 1997.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 4ª ed. São Paulo: Cortez: Brasília UNESCO, 2001a.

NICOLAU. M. L. M. A criança, o adolescente e o adulto: diferentes matizes afetivos, diante do processo de construção do conhecimento. O papel das imediações pelos pares, professores e familiares. In Cognição, Afetividade e linguagem. Orgs: E. R. da Silva, E.Y. Uyeno, M. J. M. Abud. Taubaté, SP: Cabral Editora e Livraria Universitária, 2007.

NICOLESCU, B. A prática da transdisciplinaridade. In Educação e transdisciplinaridade. B. NICOLESCU et. al. Tradução de Judite Vero, Maria F. de Mello e Américo Sommerman - Brasília: Unesco 2000. (Edições UNESCO)

PERRENOUD, P. A Prática Reflexiva no Ofício de Professor: profissionalização e razão pedagógica. Porto Alegre, RS: Artmed, 2002.

SILVA, E. R. da. Implicações da visão transdisciplinar na educação. In Caminhos para a construção da prática docente. IN Caminhos para a construção da prática docente. Orgs: E. R. da Silva e M. A. G. Lopes-Rossi. Taubaté, SP: Cabral Editora e Livraria Universitária, 2003.

______ e ABUD, Maria José M. Representações discentes acerca do bom professor: as características de personalidade como “tecnologia de trabalho” na relação pedagógica. In Cognição, Afetividade e linguagem. Orgs: E. R. da Silva, E.Y. Uyeno, M. J. M. Abud. Taubaté, SP: Cabral Editora e Livraria Universitária, 2007.

SWAIN, M. The inseparability of cognition and emotion in second language learning. Lang. Teach., 46.2, 195-207. doi:10.1017/S0261444811000486, 2013.

VERAS, R. da S.; FERREIRA, S. P. A. A afetividade na relação professor-aluno e suas implicações na aprendizagem, em contexto universitário. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 38, p. 219-235, set./dez. 2010. Editora UFPR.

VIGOTSKI, L. S. Pensamento e Linguagem. São Paulo, SP: Martins Fontes, 1999.

_________. The Vygotsky Reader. ed. Rene van der Veer and Jaan Valsiner. Disponível em . Acesso em 29 set.2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478

____________________________________________________________________________________________________________________