EXPRESSÕES FORMULAICAS E COLLOCATIONS EM INGLÊS: UMA PROPOSTA DE DESCRIÇÃO POR MEIO DE ESQUEMAS DE IMAGEM

Gabrieli Damada

Resumo


Tradicionalmente, o aprendiz de uma língua busca entender um texto, palavra por palavra, para construir a interpretação. Essa postura dificulta o desenvolvimento da aprendizagem, pois todo idioma tem collocations[1]. Embora essas colocações se acomodem na mente do falante nativo naturalmente, acabam por dificultar a fluência por parte dos aprendizes de inglês. Logo, este trabalho tem como objetivo descrever algumas colocações do inglês por meio da Teoria dos Esquemas de Imagem. Pretendemos mostrar por meio das análises que o conceito de linguagem corporificada (LAKOFF; JOHNSON, 1980) contribui efetivamente para a aprendizagem do inglês. As colocações analisadas provêm de textos jornalísticos, anúncios publicitários e situações de uso. Espera-se que este trabalho ofereça subsídios para que se possa considerar o aprendizado das collocations, como um elemento importante no ensino de inglês a falantes de português.

 


[1] Entende-se por collocation combinações fixas mais usadas e preferidas em relação a outras construções.


Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, A. S. Linguística Cognitiva: uma visão geral e aplicada. Cotia: Ateliê, 2010.

DAMÁSIO, A. O erro de Descartes: emoção, razão e o cérebro humano. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

EVANS, V.; GREEN, M. Cognitive Linguistics. Edinburgh: University Press, 2006.

FELTES, H.P.M. Semântica Cognitiva e Modelos Culturais: perspectivas de pesquisa. Disponível em: Acesso em:05 jan. 2014.

FLICK, U. Desenho da pesquisa qualitativa. Tradução de R. C. Costa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

JOHNSON, M. The Body in the Mind: The Bodily Basis of Meaning, Imagination, and Reason. Chicago: University of Chicago Press, 1987.

LAKOFF, G. Women, fire, and dangerous things. Chicago: The University of Chicago Press, 1987.

LAKOFF, G.; JOHNSON, M. Metaphors we live by: afterword. Chicago: Chicago University Press, 1980.

___________________________. Philosophy in the flesh: the embodied mind and its challenge to western thought. New York: Basic Books, 1999.

PEÑA, M. S. Dependency systems for image-schematic patterns in a usage-based approach to language. In: Journal of Pragmatics 40, 2008, p. 1041-1066.

WRAY, A. Formulaic Language and the Lexicon. Cambridge: Cambridge University Press, 2002.




ISSN 2526-4478

______________________________________________________________________________