PADLET: CONSTRUINDO A AUTONOMIA NA APRENDIZAGEM DE INGLÊS

Zenaide Moschim Gianini

Resumo


O objetivo deste artigo é apresentar os resultados preliminares de uma pesquisa ainda em andamento. Iniciado em 2014, o experimento parte de proposições de uso de ferramentas da internet para o ensino de inglês como língua estrangeira. O projeto inicial foi requisito para a conclusão do curso Building Teaching Skills Through the Interactive Web Course realizado através de um programa de bolsa de estudo denominado E-Teacher Scholarship Program oferecido pela University of Oregon. No contexto em que a pesquisa se desenvolve, objetivam-se soluções para maximizar o tempo de duas horas semanais em sala de aula, melhorar os resultados dos alunos menos independentes e desenvolver a autonomia deles, motivando-os a assumir o protagonismo em seu processo de aprendizagem. A ferramenta utilizada tem sido o Padlet - um serviço online que funciona como um mural onde os alunos publicam e compartilham textos, fotos, links e vídeos. São formas de realizar tarefas propostas e mediadas pelo professor; de haver espaço para comentários entre os colegas; de oferecer ambiente tanto para a discussão das aulas quanto para receber devolutivas. O referencial teórico para o desenvolvimento deste trabalho baseia-se no conceito de “autonomia do aprendiz” de Holec (1981), nas contribuições de Thanasoulas (2000) e Little (2006) sobre o mesmo tema e também nos princípios e diretrizes do Conselho Europeu para a aprendizagem de línguas (2000/2004). Na avaliação dos resultados, aplicou-se um questionário de cunho qualitativo através do qual constata-se, até o momento, que a ferramenta auxilia no desenvolvimento da autonomia confirmando a hipótese inicial, mas que contraditoriamente não obtém a adesão desejada, o que justifica a continuidade da pesquisa para questionamento da prática pedagógica e de possíveis ajustes na melhoria dos resultados esperados.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, H. G. Understanding rubrics. Educational leadership, v. 54, n. 4, p. 14-17, 1997.

ASAD, E. M. M., HASSAN, R. B., SHERWANI, E. F. Instructional Models For Enhancing The Performance Of Students And Workforce During Educational Training. Academy Arena, v. 6, n. 3, p. 27-31, 2014.

BENSON, P. & VOLLER, P. Autonomy and Independence in Language Learning. In: BREEN, M. P. (Ed.) Learner contributions to language learning: New directions in research. Routledge, 2014.

BORG, S., AL-BUSAIDI, S. Learner autonomy: English language teachers’ beliefs and practices. ELT Journal, v. 12, n. 7, p. 1-45, 2012.

COUNCIL, OF EUROPE. European language portfolio (ELP): principles and guidelines, 2000.

GAER, S. Less teaching and more learning. Focus on Basic Connecting Research & Practice, v. 2, 1998.

HOLEC, H. Autonomy and Foreign Language Learning. Oxford: Pergamon. Strasbourg: Council of Europe, 1979.

KRAJKA, J. Using the Internet in ESL writing instruction. The Internet TESL Journal, v. 6, n. 11, 2000. Disponível em:http://iteslj.org/Techniques/Krajka-WritingUsingNet. Acesso em 15 jul.2016.

LITTLE, D. Learner autonomy: Drawing together the threads of self-assessment, goal-setting and reflection. European Centre for Modern Languages (ECML, Hrsg.), Training teachers to use the European Language Portfolio, 2006.

LITTLE, D. & L. Dam. Learner autonomy: What and why? The Language Teacher_Kyoto-JALT, v. 22, p. 7-8, 1998.

PRENSKY, M. Digital Natives, Digital Immigrants. On the Horizon, MCB University Press, v. 9 n. 5, 2001.

REINDERS, H. Twenty Ideas for Using Mobile Phones in the Language Classroom. English Teaching Forum, Number 3. UK, 2010.

VAN LIER, L. Interaction in the Language Curriculum: Awareness, Authenticity, Autonomy. New York and London, 1996.

VERHELST, N. et al. Common European Framework of Reference for Languages: learning, teaching, assessment. Cambridge University Press, 2009.

THANASOULAS, D. What is learner autonomy and how can it be fostered. The Internet TESL Journal, v. 6, n. 11, p. 37-48, 2000. Disponível em: http://iteslj.org/Articles/Thanasoulas-Autonomy.html. Acesso em 15 jul.2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478

____________________________________________________________________________________________________________________