Inglês Instrumental em Cursos Técnicos: O processo de Ensino-Aprendizagem sob a Perspectiva Sociocultural

Jéssica Laira de Araujo Esgoti Uliana

Resumo


Este artigo faz parte de um projeto de investigação qualitativa de cunho etnográfico de mestrado, ainda em andamento, visando investigar como se configura o processo de ensino-aprendizagem em aulas de língua inglesa instrumental no curso Técnico em Açúcar e Álcool oferecido por uma instituição técnica pública do estado de São Paulo. Tal investigação será realizada por meio de pesquisas bibliográficas e leituras, questionário e biografia da professora e alunos, assim como observação, transcrição e análises das aulas. Os dados serão interpretados levando em consideração os papéis desempenhados pela professora e alunos à luz da perspectiva sociocultural (VYGOTSKY, 1989; JOHNSON, 2009; JOHNSON; GOLOMBEK, 2011; LANTOLF; POEHNER, 2014), para que consigamos alcançar melhoras no processo de ensino aprendizagem, salientando a importância da (co)construção de conhecimento e não “transmissão” de conhecimento. A investigação proposta tem como pressuposto que o professor de Inglês Instrumental não só apresenta seus conhecimentos linguísticos e pedagógicos, mas também interage com os alunos a fim de despertar-lhes o interesse pela língua estrangeira e a importância dessa para a sua ascensão profissional.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAHÂO, M. H.V. Conflitos e incertezas do professo de LE na renovação da sua prática. Tese de Doutorado. UNICAMP, 1996.

ALMEIDA FILHO, J. C. P. O professor de língua estrangeira sabe a língua que ensina? A questão da instrumentalização lingüística. In Contexturas: ensino crítico de língua inglesa, v. 1, p. 77-85, 1992.

______. Dimensões comunicativas no ensino de línguas. Campinas, SP, Pontes Editores, 1993.

______et al. (Org.) O professor de Língua Estrangeira em Formação. Campinas, Pontes, 1999.

______. “Conhecer e desenvolver a competência Profissional dos professores de LE”. In: Contexturas: Ensino Crítico de Língua Inglesa. São Paulo: APLIESP, n.9. p.9-19. 2006.

BLOOR, M. The English language and ESP teaching in the 21st century. In: ESP In Latin America. F.MEYER, A. BOLIVAR, J. FEBRES, M.B. SERRA (eds.) Universidad de Los Andes. CODEPRE, 1997.

CAVALCANTI, M. C.; MOITA LOPES, L. P. Implementação de pesquisa na sala de aula de línguas no contexto brasileiro. In: Trabalhos em Lingüística Aplicada. 17:133-144, 1991.

CELANI, M. A. A. (org). The Brazilian ESP Project: an Evaluation. São Paulo:EDU, 1998.

______. Professores e formadores em mudança: um relato de um processo de reflexão e transformação da prática. Mercado de Letras, 2003.

CRISTOVÃO, V. L. P; BEATO-CANATO, A. P.M. A formação de professores línguas para fins específicos com base em gêneros textuais. Revista D.E.L.T.A, v.1, n 32, p 45-74. 2016

CONSOLO, D.A. Competência Lingüístico-Comunicativa: (RE)Definindo o Perfil do Professor de Língua Estrangeira. In: VI CBLA. Anais CD-ROM. Belo Horizonte, 2001.

______. Revendo a oralidade no ensino-aprendizagem de línguas estrangeiras. Revistas de Estudos Universitários. Uniso, v. 26, n. 1, p. 59-68, 2000b.

______. Teachers’ action and student oral participation in classroom interaction. In: HALL, J.K., VERPLAETSE, L. S. Second and foreign language learning through classroom interaction. Mahwah, N.J.: Lawerence Erlbaum Associates, 2000a, 91-107.

______. The ability for communicative language use: an overview. Letras 18, 112. Campinas: PUCCAMP, 1999, p. 82-91.

______. Teachers’ and students’ perceptions of classroom language and oral interaction in the foreign language class. In: HEAD, K. (Org.) Teachers Develop Teachers Research 3. Whitstable, Kent: IATEFL, 79-86, 1998.

DEWEY, J. How we Think. Lexington, MA: D.C. Heath, 1933.

DIAS, E. Falar ou não falar?: Eis a questão! Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto: 2003.

______. Sala de aula: contexto de (in)formação de professor. In: VI Congresso Brasileiro de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, UFMU, MG, CD-ROM, 2002.

FERREIRA, F. M. C. C. Da Desconstrução do Método à Transformação Pedagógica no Ensino de Língua Estrangeira. Dissertação de Mestrado. São Paulo: USP, 1998.

FREIRE, P. & Shor, I. Medo e ousadia. Tradução de Adriana Lopes. 8º Ed. São Paulo: Paz e Terra, 1987.

______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários para a prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

______. Pedagogia da indignação. São Paulo: Editora da UNESP, 2000, 1 reimpressão.

HUTCHINSON, T.; WATERS, A. English for Specific Purpose: A Learning-Centered Approach. Cambridge: Cambridge University Press, 1987/1996.

JOHNSON, R. E. Second Language Teacher Education: A Sociocultural Perspective. The Pennsylvania State, Heinle & Heinle Publishers. 2009.

______. GOLOMBEK, P.R. Research on Second Language Teacher Education; A Sociocultural Perspective on Professional Development. New York; Routledge, 2011.

LANTOLF, J.P.; THORNE, S.L. Sociocultural Theory and the Genesis of Second Language Development. Oxford: Oxford University Press, 2006.

______. POEHNER, M.E. Sociocultural Theory and the Pedagogical Imperative in L2 Education. New York: Routledge, 2014.

KFOURI KANEOYA, M. L. O professor reflexivo: uma proposta de encaminhamento à conscientização pedagógica contínua de professores atuantes em um centro de estudos de línguas do interior paulista. São José do Rio Preto: 2001. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual Paulista.

PALANGANE, I. C. Desenvolvimento e Aprendizagem em Piaget e Vygotsky: a relevânciado social. São Paulo: Summus, 4ªed. 2001.

PRABHU, N. S. The dynamics of the language lesson. TESOL Quarterly, Vol. 17, No. 4, p. 9- 228, 1992.

RAMOS, R. C. G. Instrumental no Brasil: A desconstrução de mitos e a construção do futuro. Linguística Aplicada e Contemporaneidade. Campinas, SP: Pontes, 2005, p. 109 -123.

RICHARDS, J. C. O Professor Reflexivo: Guia para investigação do comportamento em sala de aula. Série Portifolio 2, 1 ed., SBS Editora, 2003.

SALOMÃO, A.C.B. A perspectiva sociocultural e a formação de professores de línguas.

Revista do GEL, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 42-76, 2013

SCHÖN, D. A. Educando o Profissional Reflexivo – um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

______. Formar professores como profissionais reflexivos. In: A. Nóvoa (org.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1997, p. 77-91.

______. The reflective practitioner. Nova Iorque: Basic Books, 1983.

SWALES, J. Episodes in ESP. Oxford: Pergamon Press. 1985

VYGOTSKY, L.S. Thought and language. Cambridge, MA: MIT Press.(Translation of the Russian original, published 1934.). 1963

______. Mind in society. Cambridge, MA: Harvard UniversityPress. 1978

______. Thought and language. A. Kozulin (Ed.). Cambridge, MA: MIT Press. 1986

______. Development of thinking and formation of concepts in the adolescent. In R.W. Rieber (Ed.) Collected works of L.S. Vygotsky. Vol. 5: Child psychology (pp. 29–81). New York: Plenum. (Original work published 1930–1931.). 1998

WIDDOWSON, H. G. O Ensino de Línguas para a Comunicação. Campinas: Pontes Editores Campinas, 1991, tradução de J. C. P. Almeida Filho.

ZACCHI, V.J.; STELLA, R. P. (ORGs.). Novos Letramentos. Formação de Professores e Ensino de Língua Inglesa. Maceio: Edital, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478

____________________________________________________________________________________________________________________