ENTREVISTAS DE EMPREGO E CANDIDATOS, NO CONTEXTO DE ENSINO TECNOLÓGICO: INGLÊS TÉCNICO , INGLÊS GERAL E ALGO MAIS

Fabio Madeira

Resumo


Este artigo abre discussão sobre entrevistas em inglês para vagas de emprego que exigem domínio oral desse  idioma. Discuto sobre ensino de línguas para fins específicos, conforme Ramos (2005, 2009) e apresento dados de pesquisa de pós-doutoramento financiada pela FAPESP (MADEIRA, 2015). Essa investigação enfocou uma diversidade de aspectos relacionados à avaliação oral de língua inglesa, o que se entende pela expressão já popular “inglês fluente” . Uma das principais questões tratadas neste artigo tem a ver com o curso de inglês em contexto de ensino tecnológico. O que se deve ensinar? Deve-se enfocar em linguagem específica da área? O que se espera de um formando em cursos de tecnologias para a avaliação oral no contexto de vagas para empregos?  Os resultados daquela investigação mostraram-se surpreendentes. Particularmente surpreendente foi constatar que, em entrevistas em inglês, praticamente não  se discutem  assuntos relacionados ao cargo para qual se candidata. Esses são tratados na entrevista em português. Uma análise de necessidades mostrou quais itens gramaticais merecem receber maior enfoque no processo de aprendizagem para o bom desempenho na entrevista em inglês. Mostrou também que se observa, além do domínio de língua inglesa, conhecimentos gerais e cultura, o que se aproxima da noção de Letramento, amplamente discutida na Linguística Aplicada na área de ensino de língua(s) (MADEIRA, 2005; SOARES, 1989; 2003; KLEIMAN, 2003). Essa constatação tem a ver, efetivamente, com a ideia de “Inglês e algo Mais” (MADEIRA, 2006).

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida Filho, J. P. C. Dimensões Comunicativas no Ensino de Línguas. Campinas: Pontes, 2002.

BARTON, D. Literacy: an introduction to the ecology of written language. Oxford Blackwell. 1994.

BARTON E., RAY R.– Developing Connections: Computers and Literacy. Computer and Composition, v.6, n.3, 1989.

BRONCKART, Jean Paul. Atividade de linguagem, discurso edesenvolvimento humano. In: MACHADO, Anna Rachel; MATENCIO, Maria de Lourdes M. (orgs).]. São Paulo: Mercado de Letras. 2006.

CHAFE, W. Discourse, Consciousness, and Time. The flow and Displacement of Conscious Experience in Speaking and Writing. The University of Chicago Press. 1994.

CHAFE, W. & D. TANNEN. The Relation between Written and Spoken language. Annual Review of Anthropology, vol. 16. 1987.

COMRIE, B. Aspect. An Introduction to the Study of Verbal Aspect and Related Problems. Cambridge: Cambridge University Press. 1976.

DERWING, T. M.; MARIAN J. ROSSITER, M. J.; MUNRO, M. J.; THOMSON, R. I. Second Language Fluency: Judgments on Different Tasks. Language Learning 54:4. 2004.

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M. B. & SCHNEUWLY, S. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: R. H. R. ROJO & G. S. CORDEIRO (orgs, trads) Gêneros Orais e Escritos na Escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004.

DUDLEY-EVANS, T., ST JOHN, M.J. Developments in English for Specific Purposes. Cambridge: Cambridge University Press. 1998.

EL-DASH, L. G. Comunicação particular de orientação no Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. 2001.

FREED, B. F. Is fluency, like beauty, in the eyes (and ears) of the beholder? In H. Riggenbach (org.), Perspectives on fluency Michigan: The University of Michigan Press. 2000.

FULCHER, G. Testing Second Language Speaking. Harlow: Pearson Education ESL. 2003.

FULCHER, G. E DAVIDSON, F. Language Testing and Assessment: An Advanced Resource Book. Taylor & Francis, New York. 2007.

HALLIDAY, M. A . K. Spoken and Written language – Oxford University Press. 1985.

HASSELGREEN. Testing the Spoken English of Young Norwegians. A study of test validity and the role of “smallwords” in contributing to pupils´ fluency. Cambridge University Press, Cambridge. 2004.

HAVELOCK, E. A Revolução da Escrita na Grécia e suas Conseqüências Culturais. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1982.

KLEIMAN, A. B. Avaliando a compreensão: letramento e discursividade nos testes de leitura. In: RIBEIRO V.M. (Org.) Letramento no Brasil: reflexões a partir do INAF 2001. São Paulo: Global, 2003.

LAZARATON, A. From Cloze to Consequences and Beyond: An Interview With Elena Shohamy. Language Assessment Quarterly, 7. 2010.

LENNON, P. (1990). Investigating fluency in EFL: A quantitative approach. Language Learning, 40: 387-412.

LUOMA, S. Assessing Speaking. Cambridge University Press, Cambridge. 2005.

_____ The lexical element in spoken second language fluency. In H. Riggenbach (org.). Perspectives on fluency. University of Michigan Press: Ann Arbour, MI. p. 25-42. 2000.

MADEIRA, F. A avaliação da produção oral em língua inglesa de candidatos a empregos: instrumentos utilizados e julgamento dos avaliadores. Relatório de pós-doutoramento entregue ao Instituto de Estudos Da Linguagem, em outubro de 2015.

_____Inglês e algo mais. São Paulo: Ação Educativa e Editora Global. 2013.

_____Gênero discursivo: reflexões sobre o uso da língua numa perspectiva social. Relatório de pós-doutoramento entregue ao Instituto de Estudos da Linguagem, da Universidade Estadual de Campinas, em maio de 2009.

_____ F. INGLÊS E ENSINO TECNOLÓGICO. Anais do IV Workshop de Pós- graduação e Pesquisa do Centro Paula Souza. CD. 2009b.

_____ O sistema de crenças do aprendiz de inglês: Fatores que influenciam na construção de crenças. Trabalhos em Linguística Aplicada, Volume 47 (1). 2008.

_____ Crenças de aprendizes sobre fatores facilitadores do processo de aprendizagem de língua inglesa. Contexturas, vol. 11. p. 91-106. 2007.

_____ Material didático para o ensino de inglês LE: conteúdos e transversalidade. Contexturas, vol. 10. 2006.

_____ Crenças sobre o explícito construídas pelos aprendizes de um novo idioma. Tese de doutorado entregue ao Instituto de Estudos da Linguagem, da Universidade Estadual de Campinasem maio de 2006.

_____ Letramento: novas tecnologias, novas práticas. Revista da ANPOLL, n. 18, jan/jun 2005.

_____ Uma análise dos critérios dos professores na preparação de material didático para cursos de língua estrangeira de conteúdo. Trabalhos em Lingüística Aplicada n. 44(1), 2005b.

_____ Crenças de professores de português sobre o papel da gramática no ensino de língua portuguesa. Linguagem e Ensino, vol. 8, n. 2. 2005c.

_____ Alguns comentários sobre as modalidades de uso da língua – escrita, fala e escrita em tempo real”. Caderno de Estudos Linguísticos, Campinas, 46(1). Jan./Jun. 2004.

_____ A comunicação em língua estrangeira mediada pelo computador: o impacto na precisão. Revista Humanidades - série Letras. n. 1. 2003.

_____. A comunicação em língua estrangeira mediada pelo computador: o impacto da precisão". Dissertação (Mestrado no Instituto de Estudos da Linguagem, da Universidade Estadual de Campinas) agosto de 2001.

Madeira, F. & El-Dash, L. G. Present Perfect - Diferentes Usos É Igual à Aquisição Diferenciada? Anais do Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul - CELSUL (CD). 2000.

MARCUSCHI, L. A. Contextualização e Explicitude na Relação entre Fala e Escrita. Conferência apresentada no I Encontro Nacional Sobre Língua Falada e Ensino, UFAL, Maceió, 14-18 de março de 1994.

___________Oralidade e Escrita. Conferência dada no 1o Colóquio Franco-Brasileiro sobre Linguagem e Educação – UFRN, Natal, 26-28 de junho de 1995. 17p. 1995

MOITA LOPES, L. P. (org.) Por uma Lingüística Aplicada interdisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial. 2006.

MOTTA-ROTH, D; HEBERLE, V. O conceito de estrutura Potencial do Gênero de Ruqayia Hasan. In: MEURER, J. L.; BONINI, A.; MOTTA-ROTH, D. (Org.). Gêneros: teorias, métodos e debates. São Paulo: Parábola Editorial. 2005.

PERERA, K. Children´s Writing and Reading - Analysing Classroom Language. Blackweel & Deutsch. . 1984

RAJAGOPALAN, K. The concept of “World English” and its implications to ELT. ELT Journal, v. 58, n.2. Abril. 2004.

______ Comunicação particular de orientação no Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. 2001.

RAMOS, R. Em palestra no Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem, PUC/SP. 2000.

_____ A história da abordagem instrumental na PUCSP. In: CELANI, M.A.A.; FREIRE, M.M.; RAMOS, R. de C. G.. (Org.). A Abordagem instrumental no Brasil: Um projeto, seus percursos e seus desdobramentos. 01ed.Campinas, SP: Mercado de Letras, 2009, v. 01.

______ Instrumental no Brasil: a desconstrução de mitos e a construção do futuro. In: FREIRE, M.; ABRAHÃO, M.H.V.; BARCELOS, A.M.F. (Org.). Linguística Aplicada e Contemporaneidade. Campinas - SP: Pontes Editora, 2005.

RIBEIRO, V.M. (Org.) Letramento no Brasil: reflexões a partir do INAF 2001. São Paulo: Global, 2003.

SHOHAMY, E. The Power of Tests. Harlow: Pearson Education ESL. 2001.

SMITH, J. Comunicação particular de orientação no Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. 2001.

SOARES, M. Letramento – Um tema em três Gêneros – Belo Horizonte: utêntica. 1989.

_____. Letramento e escolarização. In: RIBEIRO, V.M. (Org.) Letramento no Brasil: reflexões a partir do INAF 2001. São Paulo: Global, 2003.

TANNEN, D. Talking Voices – Repetition, dialogue, and imaginary in conversational discourse. Cambridge University Press. 1992.

VANPATTEN, B. Input Processing and Grammar Instruction in Second Language Acquisition. Ablex Publishing Corporation: New Jersey. 1996..

WARSCHAUER, M. – Surveying the Terrain of Literacy. In: Eletronic Literacies: Language, culture, and power in online education. Mahwah. Nova Jersey:

Lawrence Erlbaum Associates. 1999

WILLIAMS, J. & EVANS, J. What Kind of Focus and on Which Forms? In: Focus on

Form in Classroom Second Language Acquisition. Doughty, C. & Williams, J. (org.)

Cambridge: Cambridge University Press. 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478

____________________________________________________________________________________________________________________