DO PROJETO “ITALIANANDO A SAN PAOLO” À APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA DE LÍNGUA ITALIANA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

Luciana Duarte BARALDI, Juliana HASS

Resumo


Neste relato, percorreremos as etapas do projeto “Italianando a San Paolo”, realizado em uma turma multisseriada de língua italiana do CEL, que incorporou tecnologias digitais ao cotidiano das aulas para dinamizar as ações de ensino-aprendizagem, ajudar os alunos a adquirir autonomia na aprendizagem, integrar seus conhecimentos prévios com aqueles conquistados no curso, desenvolver capacidade de trabalhar em grupo, entender a importância de se inter-relacionarem e enfrentarem as dificuldades desse contexto de ensino. Cada aluno escolheu um tema, realizou pesquisa e apresentou ao grupo; nós, mediadoras, os orientamos na construção dos conhecimentos. Foram realizadas atividades individuais e/ou em grupo, apresentação oral e debates. Os alunos participaram ativamente, associaram conceitos e informações, compreenderam a importância da comunicação, refletiram sobre a construção do conhecimento, interagiram com os colegas, lidaram com adversidades e desenvolveram postura autônoma nesse processo. O monitoramento aconteceu pelas reuniões, tecnologias utilizadas ─ software educacional, tecnologia móvel, comunidade virtual, e-mails e blogger  ─ anotações, observações, vídeos e fotos para todos acompanharem a concretização do projeto e para avaliação. Os resultados foram positivos para os alunos, a comunidade escolar e a academia, materializando-se na reflexão sobre problemas de ensino. O projeto foi transformado em pesquisa e promoveu mudanças para os envolvidos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA FILHO, José Carlos Paes de. (1993) Dimensões comunicativas no ensino de línguas. 6. ed. Campinas (SP): Pontes, 2010.

FREIRE, Paulo. (1996) Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 51. ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2015.

GODOY, Lilian Paula Martins. Juntar ou separar? Reflexões sobre o contexto multisserial de ensino de FLE (Francês Língua Estrangeira) nos CEL (Centros de Estudos de Línguas). Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2013.

KUMARAVADIVELU, B. Beyond methods: Macrostrategies for language teaching. Yale: Yale University, 2003.

KUMARAVADIVELU, B. Understanding language teaching: from method to posmethod. Mahwah, New Jersey: Lawerence Erbaum Associates, Inc. Publishers, 2006.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Resolução SE nº 44, de 13 agosto de 2014. Dispõe sobre a organização e o funcionamento dos Centros de Estudos de Línguas – CEL, e dá providências correlatas. São Paulo, 2014.

SCHULTZ, J. Projetos educacionais. São Paulo: Senac, 2014.

Referências sitográficas

ARAÚJO SILVA, Gisvaldo. A era pós-método: o professor como um intelectual. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2016.

ITALIANANDO A SAN PAOLO (blog). Disponível em: . Acesso: 25 set. 2016.

MONTERO, Óscar. TIC, TAC, TEP. Tecnologías… para la vida. Disponível em: . Acesso: 25 set. 2016.

PLAZA, José Angel. TIC-TAC-TEP: as siglas da aprendizagem aumentada. Disponível em: . Acesso: 25 set. 2016.

PROCURA por aulas de idiomas cresce 25% em apenas um ano na rede estadual. Disponível em: . Acesso: 25 set. 2016.

RECUERO, Paloma. TIC, TAC, TEP: aprender en el siglo XXI. Disponível em: Acesso: 25 set. 2016.

REIG, Dolors. El Carapazón. Disponível em: . Acesso: 25 set. 2016.

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO. “Centro de Estudos de Línguas – CELs”. Disponível em: . Acesso: 25 set. 2016.

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO. Programa da Educação proporciona ensino de até sete idiomas para alunos do Ensino Fundamental e Ensino Médio. Disponível em: . Acesso: 25 set. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478

____________________________________________________________________________________________________________________